Thursday, December 30, 2010

Resolutions and Hopes (Resoluções e esperanças)


Why is it that the approaching New Year puts everyone in a meditative mood, a time we consider all we accomplished or failed to accomplish during the last 12 months? I always get into this mood at this time of the year, and then I start to wonder how to write about it.

I have already written this blog twice. Two days ago I wrote it when I was shopping and stopped at a Starbucks to have a tall decaf peppermint mocha and a banana cake with walnuts. I felt guilty about this but succeeded in convincing myself that I would re-start my diet on the first day of 2011.  I composed my blog in my mind while I enjoyed that sinfully delicious snack. Yesterday I thought about another post as I drove through Tyler Park and took pictures while I listened to Victor and Leo sing “Deus e Eu no Sertão.” The problem with these mind compositions is that I always forget them when I get home. I have been writing stories in my mind since I can remember and only a few of them end up on a paper or in the computer. 

In this moment of reflection, what I want to say is that I am thankful for everything that this year brought me. First of all, I got married to a wonderful man who made a big difference in my life. My three kids did well in their careers or studies. I made two new friends with whom I will spend the New Year. I did not lose any friends. I learned a lot about spiritism, which led me to understand and accept life in a different way. I started the year unemployed and will end it with a decent amount of consulting work. I was able to publish a short story in a literary magazine in the US and one essay in a literary magazine in Brazil. I went twice to Brazil and had a wonderful time! There were countless blessings… 

Of course, the year brought me some aggravations like the problem with my knee that will require more serious treatment, some battles with depression, some periods of nervousness while I faced the uncertainties of consulting work and so on. But who said that life is supposed to be made only of happy moments? The difficult moments are the ones that teach the most and force us to become better, even though we would rather not experience them. 

Like everybody else, I already made my New Year resolutions and I have a big list:  I want to live in peace which, as everyone knows, is not so simple. I want to pay more attention to my spiritual life. I want to be more patient with everyone around me. And, above all, I want to write more. Writing is my passion and I have decided that, in 2011, I am going to dedicate myself to it. 

I wish to all of you a 2011 full of joy, peace, and beauty! I  hope you will   read some of my writing in 2011.


RESOLUÇÕES E ESPERANÇAS 

Por que o Ano Novo nos deixa num estado de espírito meditativo, pensando no que conseguimos realizar ou não nos últimos 12 meses? Sempre me encontro nesse estado de espírito quando o fim do ano se aproxima, e então começo a pensar a respeito de como escrever sobre ele.

Já escrevi este blog duas vezes. Há dois dias eu o escrevi quando fazia compras e parei numa Starbucks para tomar um café pequeno, sem cafeína, com hortelã e chocolate, acompanhado por um bolo de banana com nozes. Sentindo-me culpada, mas ao mesmo tempo me convencendo de que voltaria à minha dieta no primeiro dia do ano, escrevi meu blog na minha mente enquanto saboreava meu lanche. Ontem pensei num outro post enquanto passeava de carro no parque Tyler, tirando fotos e ouvindo Victor e Leo cantarem "Deus e Eu no Sertão". O problema com essas criações mentais é que sempre esqueço delas quando chego em casa. Desde que me entendo por gente escrevo histórias na minha cabeça e apenas algumas delas acabam num papel ou no computador.

Neste momento de reflexão, o que quero dizer é que sou grata por tudo o que este ano me trouxe. Primeiro de tudo, casei-me com um homem maravilhoso que fez uma grande diferença na minha vida. Meus três filhos estão indo bem nas suas carreiras e estudos. Fiz dois novos amigos com quem vou passar o Ano Novo. Não perdi nenhum amigo. Aprendi muito sobre espiritismo, o que me levou a entender e aceitar a vida de uma outra maneira.Comecei o ano desempregada e vou terminá-lo com uma quantidade razoável de trabalhos de consultoria. Publiquei um conto numa revista literária nos EUA e uma crônica numa revista literária no Brasil. Viajei duas vezes ao Brasil e me diverti muito! Fui muito abençoada ...

Claro, o ano me trouxe alguns contratempos, como os problemas com meu joelho que precisará de um tratamento mais sério, algumas batalhas com a depressão, alguns períodos de nervosismo quando  me deparei com a insegurança do trabalho de consultoria, e assim por diante. Mas quem disse que a vida deve ser feita apenas de momentos felizes? Os momentos difíceis são os que mais nos ensinam e nos forçam a progredir, tornando-nos pessoas melhores, apesar de que gostaríamos de não vivenciá-los.

Como todo mundo, já fiz minhas resoluções de Ano Novo e acabei com uma lista grande: quero viver em paz, o que, como todos sabem, não é tão simples. Quero dedicar-me mais à minha vida espiritual. Quero ser mais paciente com todos à minha volta. E, acima de tudo, quero escrever mais. Escrever é minha paixão e decidi que, em 2011, vou me entregar a ela.  

Desejo a todos vocês um 2011 cheio de alegria, paz e beleza! Espero que possam ler algumas das minhas histórias em 2011.

Photos Tyler Park, Newtown PA: Bernadete Piassa

Tuesday, December 21, 2010

Party Time (Época de festas)

The end of the year is marked by countless celebrations. Some people go from party to party and have a blast in all of them. As for me, every time I am invited to a party I think: Oh my God! There we go again! I am shy, and the idea of going to a party just terrifies me.

The other day, I was telling my daughter about this fear and she advised me: just keep going to the parties and eventually you will get used to it. Well, I have been waiting to feel comfortable at parties for more than 50 years and this lucky day has not arrived yet. But how can I explain this to someone who has no idea of how it feels to get nervous just by thinking about going to a party?

If someone invites me to a dinner in which there will be a few other guests, I am fine. If the invitation is for a party among my relatives, I am fine. But if the invitation involves co-workers, friends of my husband who are not my friends, other people who I don’t know, or a group who I do know but is comprised of a lot of people,  then I start to get apprehensive. In the weeks before the party, I try to block it from my mind. As the day of the celebration approaches, my fears increase. Strangely, the clothes that I am going to wear are the least of my concerns. I am terrified of the other guests: what are we going to talk about, what will they think about me.

The feelings that overcome me are so overwhelming that it is hard to describe them. First, my mind takes charge and I try to come up with excuses to avoid the situation. I am tempted to pretend that I am sick, that I have another commitment preventing me from attending, there was a death in the family… The list of excuses that I have prepared for these moments are endless and I almost always discard all of them. A few times I surrender to my fears, give an excuse and stay home. But, instead of feeling relieved, I feel even worse because while I am deathly afraid of parties, I am just as afraid of being considered a coward. I accuse myself of being unable to cope with my fears, of being a failure, of being incompetent… And it is with these “cheerful” feelings that I watch the day of the party approach.

With my mind lost in this whirlpool of fear and panic, my body reacts accordingly: my heart races, I can’t breathe, my hands get cold, and my stomach gets so tight that I feel nauseous. I try to ignore all these feelings and get ready. When I arrive at the party and see a lot of people who appear to be having a wonderful time, it makes me feel even worse. Once more I realize that I am different from them, that there is something strange about me that sets me apart from everyone else.

I have been shy or suffering from Social Anxiety Disorder like the doctors now say, since I was a child. I remember countless moments of my life when I was sitting at a corner by myself, trying to pretend that I didn’t exist while everybody else was having fun. I never felt that I was a participant. I was always an observer, an outsider. My sisters are not shy and my mother is a very social person so I can’t say that shyness runs in the family. When my older daughter was in elementary school, she was very shy and I used to feel sorry for her while blaming myself for giving her this horrible gene. I was very glad she overcame her shyness. But, for me, there was no such relief. The shyness continues with me to this very day.

I read on the Internet about many people who were shy but were able to become famous actors, scientists, or politicians. I am sure if I weren’t shy, my professional life would have been more successful because I would be networking more. Since I am shy, I compensate by being more competent.

My office used to be close to the secretary’s desk at one of the companies I worked for in the US. As I worked, many times I heard her discussing the weather, shows on the TV, store specials, or details of her personal life with anyone who approached her desk. I envied her ability of making small talk. How come there are people capable of talking all day long about nothing in particular, of making friends with perfect strangers in airports, restaurants, any place at all, while others struggle to find the right words?

The other day, at a party, I saw a guy sitting by himself at a table playing with his cellular. From time to time, he looked around himself and looked back at his cellular very quickly. His body was tense and I recognized him immediately as someone as shy as me. For a minute, I felt like approaching him and talking with him: two shy people, lost in that world of outgoing individuals laughing and making jokes. But, I just couldn’t approach him and he was left to pretend that he was busy with his cellular. The shyness, which was a link between us, also prevented me from making a connection.

ÉPOCA DE FESTAS

O fim do ano é marcado por inúmeras comemorações. Algumas pessoas vão de festa em festa e divirtem-se muito em todas elas. Quanto a mim, toda vez que sou convidada para uma festa, penso: Oh meu Deus! Vai começar tudo de novo! Sou tímida, e a perspectiva de ir a uma festa me apavora.

Outro dia, estava discutindo esse medo com minha filha e ela me aconselhou: continue indo e no fim você vai se acostumar. Bem, estou tentando me acostumar com festas
mais de 50 anos e esse dia de sorte ainda não chegou. Mas como posso explicar isso para alguém que não tem ideia do nervosismo que passo só de pensar em ir a uma festa?

Se alguém me convida para um jantar em que haverá alguns convidados apenas, não tem problema. Se o convite for para uma festa na minha família, não tem problema. Mas se o convite tem a ver com gente com a qual eu trabalho, amigos do meu marido que não sejam necessariamente meus amigos, outras pessoas que não conheço, ou um grupo que conheço mas que é grande, então começo a ficar apreensiva . Nas semanas que antecedem a festa, tento deletá-la da minha mente. Com a aproximação do dia, o meu receio aumenta. Estranhamente, a roupa que vou usar não me preocupa de maneira alguma. O que me aterroriza são os outros convidados: o que vou conversar com eles, o que eles pensarão de mim.

Meus sentimentos são tão fortes que é difícil descrevê-los. Em primeiro lugar, minha mente toma o comando da situação e tento inventar desculpas para evitar a festa. Penso em fingir que estou doente, que tenho outro compromisso, que houve uma morte na família ... A lista de desculpas que já preparei para esses momentos é infinita e quase sempre descarto todas elas. Algumas vezes sucumbo ao medo, dou uma desculpa e fico em casa. Mas, em vez de me sentir aliviada, me sinto ainda pior, porque tenho medo mortal de festas, mas tenho um medo ainda maior de ser considerada covarde. Enquanto minha mente inventa desculpas, eu me acuso de ser incapaz de lidar com meus medos, de ser um fracasso, de ser incompetente ... E é com esses sentimentos "alegres" que vejo o dia da festa se aproximar.

Com a minha mente perdida nesse turbilhão de medo e pânico, meu corpo também reage da mesma maneira: meu coração acelera, quase não consigo respirar, minhas mãos ficam frias, e meu estômago fica tão apertado que sinto náuseas. Tento ignorar esses sentimentos e vou à festa. Chego lá e encontro um monte de gente que parece estar se divertindo muito o que me faz sentir ainda pior. Uma vez mais percebo que sou diferente, que há algo estranho em mim que me separa de todos os outros.

Sou tímida, ou sofro de Transtorno de Ansidade Social como os médicos dizem hoje, desde pequena. Lembro-me de muitas ocasiões quando eu me sentava em algum canto sozinha, tentando fingir que não existia enquanto todo mundo se divertia. Nunca sentia que era parte de um grupo. Sempre fui uma observadora, uma pessoa de fora.Minhas irmãs não são tímidas e minha mãe é uma pessoa muito sociável, então não posso dizer que a timidez é coisa de família. Quando minha filha mais velha era pequena, ela era muito tímida e eu tinha pena dela, ao mesmo tempo me culpava por ter lhe dado aquele gene horrível. Fiquei muito contente quando ela superou sua timidez. Mas, para mim, esse momento de alívio nunca chegou. A timidez continua comigo até hoje.

Li na internet sobre muitas pessoas que eram tímidas mas tornaram-se atores famosos, cientistas ou políticos. Tenho certeza de que se eu não fosse tímida, minha vida profissional teria sido mais bem-sucedida, porque eu iria conversar mais com meus colegas de trabalho. Por causa da timidez, tive de compensar sendo mais competente.

Numa das empresas em que trabalhei nos EUA, o meu escritório ficava perto da mesa da secretária. Enquanto trabalhava, muitas vezes eu a escutava  falando sobre o tempo, os programas de TV, as promoções das lojas, ou discutindo detalhes de sua vida pessoal com qualquer um que se aproximasse. Invejava sua capacidade de ficar de conversa fiada. Sempre me perguntei como algumas pessoas são capazes de falar o dia inteiro sobre nada em particular, de fazer amizade com desconhecidos em aeroportos, restaurantes, em qualquer lugar, enquanto outras lutam para encontrar as palavras certas.

Outro dia, numa festa, vi um moço sentado sozinho numa mesa mexendo no seu celular. De vez em quando, ele olhava em volta e olhava novamente para o celular. Seu corpo estava tenso e eu percebi imediatamente que ele era tão tímido quanto eu. Por um minuto, tive vontade de ir conversar com ele: dois tímidos, perdidos naquele mundo de pessoas extrovertidas rindo e fazendo piadas. Mas simplesmente não consegui me aproximar e ele continuou fingindo que estava ocupado com o celular. A timidez, que seria um elo entre nós, nos impediu de nos conectar.

Photo: Cesar Areal

Thursday, December 16, 2010

Dear Reader (Caro leitor)

Dear Reader,

I hope you don’t mind if I write you a letter. If you are like me, probably you did not get a letter for awhile and maybe you will enjoy getting one, even if it arrives electronically. Nowadays, the postman brings us bills, advertisements, and many other things that we don’t want. But letters, ah, these are things of the past…

A few years ago when I went to Brazil, my home-country, I brought back some school work that I had done as a child. Among these were some notebooks with calligraphy. I remember that I used to spend hours practicing my handwriting, making sure that my “fs” and “ts” had the proper lines on the right places. Nowadays, I almost don’t write by hand anymore. The computer is here for everything and I wonder why I wasted my time practicing to write that way. On the other hand, I do remember feeling relaxed and serene as my hand went over the paper drawing the “os” and “as” with precision, as if performing a work of love. Do you remember, my dear reader, these times when time wasn’t so important, when we could spend it with a piece of paper just drawing alphabetical letters one by one instead of trying to write five emails at once while we simultaneously read the news on the Internet, IM someone and check our cellular for missing messages?

During my teenage years, when I lived at a boarding school, I received and sent many letters. My mother and my sisters wrote me often. I knew that my mother made my sisters write the letters, but I was still glad to hear from them even though the format of the letters was always the same: we are well, how are you, well I have to go now… The days that I received these letters were special because I knew that somewhere, far from where I was, someone was thinking about me.

Many years later, after I got married and moved to New York, I also received many letters. In the beginning, my friends and my family wrote. As time went by, the friends stopped writing and only my relatives continued. I was living a busy life and I didn’t reply as fast or often as I should, but I did reply sometimes. The letters that I received were a reminder that there was a place where people cared about me, spoke my language, shared my feelings and could be, even in the letters, as dramatic as I was. They meant a lot.

Nowadays, only my mother writes to me. Why write if you can talk on the phone, by skype, or email someone knowing that you will get an answer almost instantaneously? Because if we don’t get an answer to an email the same day or the next, we start to wonder if the person is sick, traveling, having computer problems, doesn’t like us anymore, and so on…. We want results, we want immediate satisfaction.

A few weeks ago, I bought an address book to give to my aunt in Brazil. It was difficult to find it. I had to look on the Internet because the bookstores seemed to have just a few left for sale. I realized then that addresses books will disappear soon. Nowadays, people store everything in their cell phones. Why do we need addresses books anymore? It is the same with planners, which became electronic thanks to Microsoft. Like them, so many things are bound to vanish. I wonder what the stamp collectors will do, when people stop writing letters. And how about all the beautiful stationary with golden drawings, cute animals, pretty landscapes… These will be gone pretty soon too.

When I was fifteen years old, my boyfriend gave me a set of beautiful stationary that came in a folder, tied with a pink ribbon and with flowers painted all over it. I used the stationary and kept the folder for many years because it was so delicate and feminine. What a boyfriend would give nowadays for his girlfriend, I wonder. Just a gift certificate for no specific store?

As you can see, my dear reader, I am feeling nostalgic today. Maybe the fault of this is all these Christmas songs that keep playing in the stores where I go shopping reminding me that it is time to buy gifts, even if I am not inspired to do so this year. Maybe it is because I keep receiving electronic Christmas cards from friends who don’t have time or motivation to send me a paper card anymore. And believe me; I will be like them too, soon sending some electronic Christmas cards. Forgive me if you get one… Times changed. I realize that some trees will be saved since less people will be using paper to write letters and Christmas cards. But, being old-fashioned, I have to confess that I do miss the elegancy and beauty of a letter, written in a nice stationary, and the Christmas cards hand picked in a store, specially for me.

Fondly,
Bernadete

CARO LEITOR


Caro leitor,

Espero que não se importe se eu lhe escrever uma carta. Se você é como eu, provavelmente não recebe cartas há algum tempo e talvez goste de receber uma, mesmo que seja por via eletrônica. Hoje em dia, o carteiro nos entrega contas, anúncios, e muitas outras coisas que não queremos. Mas cartas, ah, essas são coisas do passado ...

Há alguns anos, quando fui ao Brasil, trouxe comigo alguns trabalhos escolares que tinha feito quando era jovem. Entre esses estavam alguns cadernos de caligrafia. Eu me lembro que costumava passar horas praticando minha caligrafia, para ter certeza de que meus "fs" e "ts" eram escritos com os traços nos lugares certos. Hoje em dia, quase não escrevo mais à mão. Uso o computador para tudo e me pergunto por que perdi meu tempo praticando caligrafia daquela maneira. Por outro lado, me lembro de me sentir tranquila e calma enquanto minha mão desenhava no papel os "os" e "as" com precisão, como se aquele fosse um trabalho de amor. Você se lembra, meu caro leitor, dos tempos em que o tempo não era tão importante, quando nós podíamos gastá-lo com um pedaço de papel desenhando as letras do alfabeto, uma por uma, ao invés de passá-lo tentando escrever cinco e-mails de uma só vez, enquanto lemos as notícias na internet, mandamos uma IM e checamos nossos celulares para ver se perdemos alguma chamada?

Nos meus tempo de adolescente, quando eu morava num colégio interno, recebi e mandei muitas cartas. Minha mãe e minhas irmãs escreviam constantemente. Eu sabia que minha mãe mandava minhas irmãs me escrever, mas ainda ficava feliz de receber as cartas que tinham sempre o mesmo formato: estamos bem, espero que você esteja bem, vou ficando por aqui ... Os dias em que recebia essas cartas eram especiais porque eu sabia que em algum lugar, longe de onde eu estava, alguém pensava em mim.

Muitos anos mais tarde, depois que me casei e me mudei para New York, também recebi muitas cartas. No começo, meus amigos e minha família escreviam. Com o tempo, os amigos pararam de escrever e só minha família continuou. Minha vida era muito corrida eu eu não respondia tão rápido ou frequentemente como deveria, mas geralmente respondia. As cartas eram para mim um sinal de que havia pessoas que não tinham me esquecido, que falavam a minha língua, entendiam meus sentimentos e podiam ser, mesmo nas cartas, tão dramáticas como eu. Elas significavam muito para mim.

Atualmente, apenas a minha mãe me escreve. Por que escrever se podemos falar pelo telefone, pelo skype, ou email,  sabendo que receberemos uma resposta quase instantaneamente? Porque se não recebemos uma resposta para um e-mail no mesmo dia ou no dia seguinte, começamos a nos perguntar se a pessoa está doente, viajou, teve problemas com o computador, não gosta mais de nós, e assim por diante .... Queremos resultados, queremos satisfação imediata.

Algumas semanas atrás, comprei uma caderneta de endereços para dar a minha tia no Brasil. Foi difícil encontrá-la. Tive que procurar na Internet, porque as livrarias tinham poucas disponíveis. Percebi então que as cadernetas de endereços desaparecerão em breve. Hoje em dia, as pessoas guardam tudo nos seus celulares. Por que precisamos de cadernetas de endereços? O mesmo acontece com as agendas, que se tornaram eletrônicas graças a Microsoft. Como elas, muitas coisas estão fadadas a desaparecer. Eu me pergunto o que os colecionadores de selos farão quando as pessoas pararem de escrever cartas. E os lindos papéis de carta com desenhos dourados, animais engraçadinhos, paisagens bonitas ... Esses desaparecerão brevemente também.

Quando eu tinha quinze anos, meu namorado me deu um papel de carta lindo, que veio numa pasta, amarrado com uma fita cor de rosa e flores pintadas na capa. Usei o papel mas guardei a pasta por muitos anos, porque era muito delicada e feminina. O que um namorado daria hoje para sua namorada: apenas um certificado de presente para qualquer loja?

Como você pode ver, meu caro leitor, estou me sentindo nostálgica hoje. Talvez a culpa disso seja de todas essas músicas de Natal que ficam tocando nas lojas onde vou fazer compras me lembrando que é hora de comprar presentes, mesmo que não esteja inspirada para fazer isso este ano. Talvez seja porque continuo recebendo cartões eletrônicos de Natal de amigos que não têm tempo ou motivação para me enviar um cartão pelo correio. Mas olhe, sou como eles também: em breve comecarei a enviar cartões eletrônicos de Natal. Perdoe-me se você receber um... Os tempos mudaram. Sei que algumas árvores serão salvas pois as pessoas usarão menos papel para escrever cartas e cartões de Natal. Mas, sendo antiquada, confesso que sinto falta da elegância e da beleza de uma carta, escrita num papel delicado, e dos cartões de Natal escolhidos numa loja especialmente para mim.

Carinhosamente,
Bernadete

Photographer: nuttakit

Saturday, December 4, 2010

On the Paraguay River (No rio Paraguai)


The giant otter is eating a fish with its head out of the water. It doesn’t appear to be in a hurry at all, like everything else in the swamp called “Pantanal” in the Midwest of Brazil. The giant otter savors its fish feeling safe: no other carnivorous mammal is going to bother it. The otter can be very dangerous.

On the other side of the Paraguay River, the alligators hide from view among the brown vegetation. They pretend to be logs and it takes awhile for one to distinguish them among the twigs. Only their eyes shine without blinking. Their body remains motionless, but the captain of the boat warns us that the alligators can attack when threatened.

A little bit farther, a flock of wild turkeys eat and play on the bank of the Paraguay, unconcerned by the cows and horses that graze on the distance. Small houses can be seen here and there. They are very close to the water and will be swallowed by the river when the time of the flood arrives. It is part of the cycle of life and is accepted without complaint by the “pantaneros”, the people who live in the Pantanal region.

A solitary egret walks with confidence in the water, its yellow beak leading its white and elegant body. The egret doesn’t look as social as the wild turkeys but, like them, it seems to belong in that place and is happy there.

Two boys fish with their father in silence, concentrating on the task of putting some bait on their fishing poles. Farther down, two men take out their fishing nets but we can’t see if they were able to catch any fish.

The boat glides slowly, parting the waters and making us wonder about what lays below. The brown water may conceal many dangers, but looking around us we can feel only the peace and beauty of the place. We are warmed by the sun and a gentle breeze touches our faces. For awhile, we forget there is a world out there where people are killing each other, competing for jobs and for success. Sliding down the Paraguay River, we are in communion with nature. Our hearts sing. Time stands still. We don’t need anything else to be happy.

No rio Paraguai

A ariranha come um peixe levantando a cabeça fora da água. Como todos os animais do pantanal, ela não parece estar com nenhuma pressa. Saboreia seu peixe sentindo-se segura: nenhum outro mamífero carnívoro vai incomodá-la. A ariranha pode ser muito perigosa.

Do outro lado do rio Paraguai, os jacarés escondem-se entre a vegetação marrom. Fingem que são troncos de árvores e levamos um tempão para distingui-los entre os galhos. Apenas os seus olhos brilham sem piscar. Seus corpos permanecem imóveis, mas o capitão do barco nos avisa que os jacarés atacam quando se sentem ameaçados.

Um pouco mais adiante, perus selvagens comem e brincam nas margens do Paraguai, sem se preocuparem com as vacas e cavalos que pastam à distância. Uma casa pequena pode ser vista aqui e ali, bem perto da água. Serão engolidas pelo rio, quando a época das enchentes chegar. Isso faz parte do ciclo da vida que é aceita sem queixas pelos "pantaneiros", as pessoas que vivem na região do Pantanal.

Uma garça solitária caminha com confiança sobre a água, o bico amarelo à frente de seu corpo branco e elegante. A garça não é tão sociável como os perus selvagens, mas, como eles, parece pertencer ao lugar e ser feliz no pantanal.

Dois meninos pescam com o pai em silêncio, concentrando-se na tarefa de colocar isca nos anzóis. Mais abaixo, dois homens puxam suas redes da água, mas não conseguimos ver se eles pescaram alguma coisa.

O barco desliza lentamente pela água e nos faz pensar sobre o que se esconderá nas profundezas dela. A água marrom pode encobrir muitos perigos, mas olhando a nossa volta só sentimos a paz e a beleza do lugar. O sol nos aquece e uma brisa suave acaricia nossos rostos. Por um tempo, esquecemos que existe um mundo onde as pessoas se matam, competem por empregos e por sucesso. Deslizando pelo rio Paraguai, estamos em comunhão com a natureza. Nossos corações cantam. Só o presente existe neste momento. Não precisamos de mais nada para sermos felizes.

Photo: Bernadete Piassa

Monday, November 15, 2010

A few days of endless talking (Alguns dias de conversas intermináveis)


I read on the Internet that it is cloudy in Rio de Janeiro. I wish the sun was shining but, to be honest, I don’t care that much. I am so glad that I am going to be in Rio this Saturday, that the weather is the last thing on my mind. Gone is the depression that had suffocated me for the last 10 days convincing me that I would never ever be happy again. Just to think that I will soon be in Brazil is enough to make me smile.

There are so many things that I am looking forward to experiencing there. Big things, like hugging everyone in my family and spending hours gossiping with them, and small things, like eating a “true” mango that tastes in fact like a mango and not like plastic like the one I just ate in a restaurant in the US this past Saturday. I can’t wait to show my country to my American husband and try to see it for the first time with foreign eyes. What is he going to think about Brazil?

I do hope he likes the people. Not only my family, but the Brazilian people in general. When I go to Brazil, what I like the most is being among my countrymen, speaking my native language and just noticing how different they are from Americans.

Last week, in the Spiritist Center, there was a discussion about the lack of “sense of community” in the US. The Colombian man leading the discussion was remarking about how he knows the nationality of his neighbors because of the way their food smells. He doesn’t speak with any of them. I also very seldom talk with my neighbors. I know that the lady who lives in the house in front of mine got a dog, but I don’t know her name, what she does, or anything else about her. I know that the one who lives behind my house works with finances, but I also don’t know her name. My best friends are Russian and Brazilian and I have very few Americans whom I consider friends. That is not because I am very shy and reserved, which I am. My Russian friend, who is very outgoing, has only Russian friends aside from me. She threw a party for her American husband for his birthday but did not have any friends of his to invite: only his family and her friends were there. As for my husband, I have known him for 3 years and so far have not met any of his friends just his co-workers.

The sense of community is much stronger in Brazil and other Latin American countries. People talk to each other in the grocery store, in the hairdressers; acquintances become friends very easily; colleagues go out together and are invited to birthday parties. In the US, people tend to stay by themselves in their own homes, or socialize only with family. For someone like me who grew up with 4 sisters in a house always full of visitors, it gets to be very lonely. The depression finds a fertile ground when it encounters solitude. It is much harder to feel depressed surrounded by friends than in a house by yourself, especially when the weather is cold and it gets dark early.

I am looking forward to the friendly chatting that I will find in Brazil, even when coming from strangers with whom I will never talk again. It doesn’t matter if they will become my best friends or not. The important thing is that I won’t feel like a robot, living a life in which I relate only to a computer and very rarely I am greeted by a friendly smile.

ALGUNS DIAS DE CONVERSAS INTERMINÁVEIS

Li na internete que está nublado no Rio de Janeiro. Preferia que o sol estivesse brilhando mas, para ser honesta, não me importo muito. Estou tão feliz porque chegarei ao Rio neste sábado, que o tempo é a última coisa que me preocupa. A depressão que tinha me sufocado nos últimos 10 dias e me convencido de que eu nunca seria feliz novamente foi embora. Só de pensar que em breve estarei no Brasil já é suficiente para me fazer sorrir.

Há tantas coisas que estou ansiosa para fazer lá. Coisas importantes, como abraçar minha família e passar horas fofocando com todos, e coisas pequenas, como comer uma manga "de verdade" com sabor de manga e não com sabor de plástico como a que comi sábado passado aqui nos EUA. Estou louca para mostrar o meu país ao meu marido americano e tentar vê-lo pela primeira vez sob o olhar estrangeiro. O que será que ele vai pensar do Brasil?

Espero que goste do povo. Não só da minha família, mas do povo brasileiro em geral. Quando vou ao Brasil, o que me dá mais prazer é estar entre os meus compatriotas, falar a minha língua pátria e observar como os brasileiros são diferentes dos americanos.

Na semana passada, no Centro Espírita, houve uma discussão sobre a falta de "senso de comunidade" aqui nos EUA. O senhor colombiano que estava organizando a discussão comentou sobre como ele sabe qual é a nacionalidade dos seus vizinhos por causa do cheiro das comidas que eles cozinham. Ele não conversa com nenhum deles. Eu também falo muito raramente com meus vizinhos. Sei que a senhora que mora na casa em frente à minha tem um cachorro, mas não sei o nome dela, o que ela faz, ou qualquer outra coisa a seu respeito. Sei que a senhora que mora na casa atrás da minha trabalha com finanças, mas também não sei o nome dela. Minhas melhores amigas são uma russa e uma brasileiras e só considero amigos uns poucos americanos. Isso não é porque sou muito tímida e reservada, o que realmente sou. Minha amiga russa, que é muito extrovertida, só tem amigos russos além de mim. Ela fez uma festa de aniversário para seu marido americano, mas ele não tinha nenhum amigo para convidar: só foram a família dele e os amigos dela. Quanto ao meu marido, estamos juntos há três anos e até agora não conheci nenhum dos seus amigos; vi apenas seus colegas de trabalho.

A ideia de comunidade é muito mais forte no Brasil e em outros países latino-americanos. As pessoas falam umas com as outras no supermercado, no cabeleireiro; conhecidos tornam-se amigos facilmente; colegas de trabalho saem juntos e são convidados para festas de aniversário. Nos EUA, as pessoas tendem a permanecer sozinhas em casa, ou conviver apenas com a família. Para alguém como eu, que cresci com 4 irmãs em uma casa sempre cheia de visitas, tudo parece muito solitário. A depressão encontra terreno fértil quando se depara com a solidão. É muito mais difícil se sentir deprimido rodeado de amigos do que numa casa sozinho, especialmente quando o tempo está frio e fica escuro tão cedo.

Estou contando os dias para os bate-papo amistosos que na certa encontrarei no Brasil, mesmo entre estranhos com quem nunca me encontrarei novamente. Não importa se essas pessoas se tornarão meus melhores amigos ou não. O importante é que não me sentirei como um robô, vivendo uma vida na qual me relaciono apenas com um computador e raramente sou recebida por um sorriso amigo.

Photo: Bernadete Piassa

Tuesday, November 9, 2010

Light and Shadow (luz e sombras)


There are some days in our life when we are feeling “worse than the shit of the horse of the bad man” – an expression that doesn’t make sense at all in English, but in Portuguese means that you are feeling very, very down. I have been feeling like this for the last week and thinking only about depressing things: everything I lost, a professional future that doesn’t look extremely exciting, the fact that I am not getting any younger, and the bleak forecast for the country in which I live. In days like this, my first thought is: why to get out of bed? Do I have any reason at all to be alive? I am sure that people who experienced the crisis of depression know very well what I am talking about.

Since I entered this depressing mood, I have been thinking about an email that my cousin sent to me. It was about friendship and I was supposed to forward it to 12 friends – 12 women who had made a difference in my life. When I got the email, I was touched that my cousin had chosen me among her 12 friends, but I also got very sad because I didn’t think I had 12 friends to send the email to.

I guess we all know that misery loves company, like they say in the US. The more I thought about depressing stuff, the more miserable I felt and the more I attracted bad things to me. I went out to have brunch in a restaurant and was given the wrong meal by a waitress that had no clue about what she was doing; I went to a party and left it feeling very uncomfortable; my knee started hurting again, and so on… Last night, I was feeling like I had reached the bottom. Out of desperation, I emailed a friend of mine telling her how I felt, even though I was embarrassed to reveal my feelings. Aren’t we supposed to be always happy, brave and confident? Anyway, when I woke up today, I had received the most beautiful reply from her. Aside that, she offered to stop by and bring me two books that she was sure would cheer me up. True to her word, she stopped by just to give me the books. After she left, I kept thinking that I didn’t need a wagon full of friends. In fact, I just needed one good friend.

I am not going to pretend that my day changed from black to pink in a matter of minutes. I am still feeling very sad. However, now I am trying to find reasons to be happy, instead of making a list of my reasons to be unhappy. Now, I am thinking about what I have and not about what I lost; about what I can do and not what I am incapable of doing. Outside, it is dark, windy and cold. I am struggling to keep at least a very tiny light lit inside myself.

LUZ E SOMBRAS

Há dias na nossa vida em que nos sentimos "pior do que o cocô do cavalo do bandido" - uma expressão que não faz sentido algum em inglês, mas em português significa que a pessoa está se sentindo muito, muito chateada. Tenho me sentido assim na última semana e pensado apenas em coisas deprimentes: tudo o que perdi na vida, meu futuro profissional que não parece muito brilhante, o fato de que estou ficando velha, e as previsões sombrias para o país em que vivo. Nesses dias, meu primeiro pensamento ao acordar é: por que sair da cama? Tenho alguma razão para estar viva? Tenho certeza de que as pessoas que já passaram por crises de depressão sabem muito bem do que estou falando.

Desde que entrei nessa fase de desânimo, ando pensando sobre um e-mail que minha prima me enviou. Era sobre a amizade e eu deveria encaminhá-lo para 12 amigas - 12 mulheres que tivessem feito alguma diferença na minha vida. Quando recebi o e-mail, fiquei emocionada de saber que minha prima havia me escolhido entre suas 12 amigas, mas também fiquei muito triste porque não teria 12 amigas para repassar o email.

Acho que todos nós sabemos que a miséria adora companhia, como se diz nos EUA. Quanto mais eu pensava sobre coisas deprimentes, mais miserável eu me sentia e mais atraía coisas ruins para mim. Fui almoçar fora e a garçonete, que parecia totalmente incompetente, me trouxe o prato errado; fui a uma festa e saí de lá mais arrasada ainda; meu joelho começou a doer de novo, e assim por diante... Na noite passada, parecia que eu tinha chegado ao fundo do poço. Desesperada, mandei um email para minha amiga explicando como me sentia, embora estivesse com vergonha de confessar meus sentimentos. Afinal, todo mundo não espera que a gente seja sempre feliz, corajosa e confiante? Enfim, quando acordei hoje, eu havia recebido uma resposta muito linda da minha amiga. Além disso, ela se ofereceu para passar na minha casa e me trazer dois livros que tinha certeza de que iriam me animar. Fiel à sua palavra, ela passou aqui para me dar os livros. Depois que saiu, fiquei pensando que eu não precisava de um vagão cheio de amigos. Na verdade, só precisava de uma amiga de verdade.

Não vou fingir que meu dia passou do preto para cor-de-rosa em questão de minutos. Ainda estou muito triste. Mas pelo menos agora estou tentando encontrar razões para ser feliz, em vez de fazer uma lista das minhas razões para ser infeliz. Estou me concentrando no que eu tenho e não no que perdi; sobre o que posso fazer e não no que sou incapaz de fazer. La fora está escuro, ventando e frio. Estou me esforçando para manter pelo menos uma luz bem pequena acesa dentro de mim mesma.

Photo: Bernadete Piassa

Wednesday, November 3, 2010

Elections Brazilian and American style (Eleições no estilo brasileiro e americano)


This was a very important week for both the US and Brazil. On Sunday, Brazil held the 2nd round in the general elections for the entire government. Tuesday was the general election in the US covering all levels of the government but the presidency. The outcome of both elections could not have been more different: in Brazil, the presidential candidate supported by President Luiz Inácio da Silva (Lula) was elected; in the US, President Obama’s party lost control of the House of Representatives. In Brazil the liberals stayed in power; in the US the conservatives seized more power.

I always find it very strange when I go to vote in the US. When I vote, I become more conscious than ever that I am an American citizen and I have expectations and responsibilities towards my adoptive country. I built a life here. The results of an election impact me directly. I take my right to vote very seriously. But the way elections are held in the US still puzzles me because they are so different from the elections in Brazil.

For example, yesterday when I went to vote, the poll workers never asked me for any form of identification. I gave my name and was handed a form to sign. Nobody compared my signature against anything else and I left the polling place with the impression that anyone could have gone there and voted in my place. In Brazil, one would have to show a document with a picture and the signature of the person to prove that she was the one voting.

Another difference was in the type of voting booth and the speed with which the results of the elections were released. In the US, two days after the elections there are still questions in some states about who the winners were. This is because in some states, like Alaska, there was a write-in candidate – a candidate whose name does not appear on the ballot but for whom voters may vote by writing in the person's name - and these votes need to be counted by hand. In other states, the elections were not decided yet because one of the parties asked for the votes to be recounted, which could take weeks and involve a lot of legal challenges. Since not all voting booths are electronic, there is always the possibility of a mistake. In Brazil, voting was done by computer and less than 2 hours after the polling places were closed the results were already tabulated with no possibility of mistakes.

But the biggest difference between elections in the US and in Brazil was the reaction of the electorate towards the economic situation. In the US, the Democratic Party lost control of the House of the Representative mainly because the voters were dissatisfied with President Obama’s handling of the economy. With an unemployment rate of 9.5% and the middle class shrinking, the people feel bitter and frustrated. In Brazil, the Workers' Party was able to remain in power because the economy is flourishing: since Lula, the current president of Brazil, was elected, the middle class increased from 42% to 52% while the lower class decreased from 46% to 33% (statistics from FGV - Fundação Getúlio Vargas.)

Two countries, two ways of voting, two opposite outcomes. Today, it seems to me that one country is moving forward while the other is moving dangerously backwards. Hmm… I wonder which is which…

ELEIÇÕES NO ESTILO BRASILEIRO E AMERICANO

Esta foi uma semana muito importante tanto para os EUA quanto para o Brasil. No domingo foi realizado o segundo turno das eleições gerais no Brasil. Na terça-feira foi realizada a eleição geral dos EUA abrangendo todos os níveis do governo com exceção da presidência. O resultado de ambas as eleições não poderia ser mais diferentes: no Brasil, a candidata presidencial apoiada pelo presidente Lula foi eleita; nos EUA, o partido do presidente Barack Obama deixou de ser maioria na Câmara dos Deputados. No Brasil, os liberais continuaram no poder; nos EUA, os conservadores aumentaram seu poder.

Sempre tenho uma sensação estranha quando vou votar aqui nos EUA. Quando voto, me conscientizo mais do que nunca que sou uma cidadã americana e tenho expectativas e responsabilidades para com meu país adotivo. Construí uma vida aqui. Os resultados das eleições me afetam diretamente. Para mim, a votação é uma coisa muito séria. Mas a maneira como as eleições são realizadas nos EUA ainda me intriga por ser tão diferente do Brasil.

Por exemplo, ontem, quando fui votar, os mesários não me pediram qualquer documento. Dei meu nome e recebi um formulário para assinar. Ninguém comparou minha assinatura com outro documento e saí da seção eleitoral com a impressão de que qualquer pessoa poderia ter votado no meu lugar. No Brasil, eu teria que mostrar um documento com foto e assinatura para provar que era eu mesma.

O tipo de cabine de votação e a velocidade com que os resultados das eleições foram divulgados também variaram muito de país para país. Nos EUA, dois dias após as eleições ainda há dúvidas em alguns estados sobre quem foram os vencedores. Isto porque em alguns estados, como o Alasca, havia um candidato extra - um candidato cujo nome não aparecia na cédula de votação, mas para o qual os eleitores podiam votar escrevendo o nome dessa pessoa - e esses votos precisam ser contados à mão. Em outros estados, as eleições não foram decididas ainda porque um dos partidos exigiu que os votos sejam contados novamente, o que pode levar semanas e envolve uma série de desafios legais. Como nem todas as urnas são eletrônicas, há sempre a possibilidade de erro. No Brasil, já que a votação foi feita por computadores, menos de 2 horas depois que as eleições se encerraram os resultados já tinham sido computados, sem possibilidade de erros.

Mas a maior diferença entre as eleições dos EUA e do Brasil foi a reação do eleitorado em relação à situação econômica. Nos EUA, o Partido Democrata perdeu o controle da Câmara dos Deputados principalmente porque os eleitores estão insatisfeitos com a maneira de o presidente Barack Obama lidar com a economia do país. Com uma taxa de desemprego de 9,5% e a classe média diminuindo, as pessoas sentem-se magoadas e frustradas. No Brasil, o Partido dos Trabalhadores conseguiu permanecer no poder porque a economia está florescendo: desde que Lula foi eleito, a classe média aumentou de 42% para 52% da população, enquanto a classe baixa diminuiu de 46% para 33% segundo a Fundação Getúlio Vargas.

Dois países, duas formas de votação, dois resultados opostos. Hoje, tenho a impressão de que um país está indo para frente enquanto o outro caminha perigosamente para trás. Hmm ... Qual estará indo para qual lugar?

Thursday, October 28, 2010

The Lesson of the Autumn (A lição do outono)






Yesterday I was driving to the library and worrying about a million things: taxes, work, my children, my husband, money, my house, and so on… I was driving on auto-pilot, not even paying attention to where I was. Suddenly, I looked around and realized that I was passing a street with trees on both sides. Because it was autumn, the trees changed colors and became mostly yellow. There were so many different shades of yellow that I had the impression of being inside a picture. In that minute I realized that my mind was stuck in between past and future, concentrating on my worries, while life in all its beauty was right in front of me. It was as if nature had shaken me and told me in no mistaken terms: “wake up, you fool. Can’t you take a look at me instead of wasting your time worrying about things that you can’t resolve right now?”

I woke up. I drove the rest of the way to my destination admiring nature. When I got to the library, I felt much better. I had not paid my taxes or won the lottery. What changed was my attitude, the way I was looking at things. By changing that, I had changed my day.

The other day, I wrote in my blog about the need to look at the good things in life, of living in the present and just letting things go. However, I keep forgetting to follow my own advice. Today, I took my camera and went around my neighborhood photographing the beauty of the autumn. The warm breeze made the leaves dance and play with my hair. I thought about how lucky I was to be alive.

A LIÇÃO DO OUTONO

Ontem eu estava indo para a biblioteca preocupada com um milhão de coisas: impostos, trabalho, meus filhos, meu marido, dinheiro, minha casa, e assim por diante... Estava dirigindo como se fosse um piloto automático, sem prestar atenção ao que fazia. De repente, olhei à minha volta e percebi que estava passando por uma rua com árvores dos dois lados. Por causa do outono, as árvores tinham mudado de cor, tornando-se quase totalmente amarelas. Havia tantos tons diferentes de amarelo, que tive a impressão de me encontrar dentro de um quadro. Nesse momento, percebi que minha mente permanecia presa ao passado e ao futuro, torturando-me com minhas preocupações, enquanto a vida com toda a sua beleza estava bem à minha frente. Foi como se a natureza tivesse me sacudido e me dissesse, sem equívocos: "acorde, sua boba. Por que não olha para mim em vez de desperdiçar seu tempo se preocupando com coisas que não pode resolver agora?"

Acordei. Admirei a natureza no resto do caminho. Quando cheguei à biblioteca, estava me sentindo outra pessoa. Não tinha pago meus impostos nem tinha ganho na loteria. O que mudou foi minha atitude, o jeito de olhar as coisas. Ao mudar isso, meu dia ficou melhor.

Outro dia, escrevi no meu blog sobre a necessidade de olhar para as coisas boas da vida, de viver o presente e deixar de lado as preocupações. No entanto, continuo me esquecendo de seguir meu próprio conselho. Hoje, peguei a máquina fotográfica e saí pelo meu bairro fotografando a beleza do outono. Uma brisa quente fazia as folhas dançarem e brincava com meu cabelo. Fiquei pensando na sorte que eu tinha de estar viva.

Photos: Bernadete Piassa

Wednesday, October 20, 2010

Upside Down (De cabeça para baixo)


When my youngest daughter was just a child and we played in our pool at home, sometimes I would suggest that we look at the world upside down. Holding hands, we would throw our heads backwards and stare at the sky, pretending that it was the water in the pool while the water was the sky. I never forgot those magic moments. I always hoped that they taught my daughter to see life in a different perspective.

Lately, I have been coming to the conclusion that the world is, in fact, upside down. There are so many things that don’t make sense or look like they should be the other way around that I don’t know what to think anymore. Reading the newspaper, the Internet, or just talking with people, many times I find myself at a loss to understand what is going on.

The other day, for example, I read on the Internet about this 7 year old boy who had been expelled from a school in Florida, US, because he had taken a plastic gun to the class. He didn’t threaten anyone with the toy; in fact he never took it out of his schoolbag. He just told a friend that it was there, the friend told the teacher who told the principal and, presto, the boy was expelled. The day I read about him, he had been out of school for one entire year while the school district and the parents fought about the decision and the lawyers probably got richer. What? Could this really have happened?

Then, I received an email from my aunt who lives in Brazil saying that she was going to retire pretty soon because in Brazil a woman can retire with full benefits after paying social security for 30 years. Because of that, when she is about 55 years old she will be able to retire. As for me, I will be entitled for full social security benefits in the US only when I am 66 years old. But wait: isn’t Brazil considered a third world country and US one of the top countries in the world? Shouldn’t things be the other way around?

I also read this week in the New York Times that nowadays, in the US, the most popular toy for children years 1 to 3 is the iPhone. Parents are so proud of their children’s ability to play with the iPhone that they let them enjoy, for as long as they want, all the “educational” apps such as Toddler Teasers: Shapes, which asks the child to tap a circle or square or triangle; and Pocket Zoo, which streams live video of animals at zoos around the world. Then there’s the new iGo Potty app, with automated phone calls reminding toddlers that it’s time to “go.” Believe me: this is for real.

I am glad my daughter got used to the idea of the world been upside down from time to time. Maybe she will have an easier time understanding it than I do. Although I believe that we do need to broaden our horizons and not shy away from new ideas, I still struggle to find some coherence in the middle of so many contradictions. A small boy is left out of school for one year because he took a plastic gun there. But a mother who let her 2 year old child spend six hours straight staring at the iPhone isn't penalized. In a not-so-developed country, the retirement age is lower than that in a more developed country. Excuse me: isn’t the world upside down or is it just my impression?


DE CABEÇA PARA BAIXO


Quando minha filha mais nova era criança e nós brincávamos na piscina da nossa casa, às vezes eu sugeria que olhássemos o mundo de cabeça para baixo. De mãos dadas, virávamos a cabeça para cima e para trás, fingindo que o céu era a água da piscina enquanto a água era o céu. Nunca me esqueci daqueles momentos mágicos. Sempre desejei que, por causa deles, minha filha tivesse aprendido a ver a vida sob uma perspectiva diferente.

Ultimamente, tenho chegado à conclusão de que o mundo está, na verdade, de cabeça para baixo. Há tantas coisas que não fazem sentido ou que parecem que deveriam ser ao contrário, que nem sei mais o que pensar. Lendo jornal, na internet, ou apenas conversando com pessoas, muitas vezes fico confusa, sem entender o que está realmente acontecendo.

Outro dia, por exemplo, li na internet sobre um menino de 7 anos que havia sido expulso de uma escola na Flórida, EUA, porque tinha levado um revólver de plástico para a classe. Ele não ameaçou ninguém com o brinquedo, na verdade nem chegou a tirá-lo da mochila. Apenas disse a um amiguinho que tinha levado o revólver, o amiguinho contou para a professora, que contou para o diretor da escola e pronto, o menino foi expulso. No dia que li a notícia, o garoto já estava sem estudar há um ano, enquanto o distrito escolar e os pais discutiam a respeito da decisão e, provavelmente, os advogados ficavam mais ricos. O quê? Isso tinha realmente acontecido?

Mais tarde, recebi um email de minha tia que mora no Brasil dizendo que ia se aposentar em breve, pois no Brasil a mulher pode se aposentar com benefícios completos depois de pagar aposentadoria durante 30 anos. Por isso, quando ela tiver mais ou menos 55 anos poderá se aposentar. Quanto a mim, terei direito a aposentadoria com todos benefícios nos EUA só quando tiver 66 anos. Mas espere um pouco: o Brasil não é considerado um país de terceiro mundo e os EUA um dos países mais desenvolvidos do mundo? As coisas não deveriam ser ao contrário?

Também li esta semana no New York Times que hoje em dia, nos EUA, o brinquedo mais popular entre as crianças de 1 a 3 anos é o iPhone. Os pais estão tão orgulhosos das crianças saberem manusear o iPhone que permitem que elas brinquem o quanto quiserem com os aplicativos "educativos", como Toddler Teasers: Shapes, que sugere que a criança ponha o dedo num círculo, quadrado ou triângulo, e Pocket Zoo, que stream vídeo ao vivo de animais em zoológicos em vários lugares do mundo. Além disso, há o aplicativo iGo Potty, com chamadas de telefone automatizadas lembrando a criança quando está na hora de ir ao banheiro. Acredite-me: não estou brincando...

Fico feliz que minha filha tenha se acostumado com a ideia de que o mundo pode estar de cabeça para baixo, pelo menos de vez em quando. Pelo menos para ela será mais fácil entender o que acontece atualmente. Embora eu acredite que precisamos ampliar nossos horizontes e estar sempre abertos para novas ideias, ainda me esforço por encontrar alguma coerência no meio de tantas contradições. Um menino é proibido de ter aulas por um ano porque levou uma arma de brinquedo para a escola. Mas uma mãe que deixa a filha de 2 anos passar seis horas seguidas brincando com um iPhone não é penalizada. Num país não muito desenvolvido, a pessoa pode se aposentar com menos idade do que num país mais desenvolvido. Pera aí: o mundo está de cabeça para baixo ou é apenas impressão minha?

Photo: Bernadete Piassa

Friday, October 15, 2010

The Waves (As ondas)


Last month I had a virus that left me immobilized and in bed for 3 days. My head hurt so much, that I couldn’t even move. While I lay there, I kept thinking that I would never get better, that I had a tumor or something in my head and, of course, would be dying pretty soon. .. Then, all of a sudden, the virus was gone and I was feeling perfectly fine again. Now, I almost can’t remember the intensity of the pain that I experienced. As for the tumor, well, I just realize that I chose, as always, to think about the worst outcome in life, instead of hoping for good things.

Yesterday, I was discussing people who are depressed and anxious with my daughter, a psychologist. She said she advises her clients to try to find at least one good thing to think about because, by choosing to concentrate on the positive, they feel better. I mentioned an inspirational article that I read in the Daily Word magazine. It was about attention and where we focus it. The article pointed out that whatever receives our attention is magnified. This means if we focus on a thought, it expands. If we pay attention to something aggravating, the level of aggravation increases. In contrast, if we pay attention to something good, the feeling of happiness increases. So, a simple shift in the direction of our thoughts can change our entire day.

I understand this idea. However, I find it very difficult to accomplish. Last week, for example, I had a big aggravation with something job related. How could I not doubt myself after that, how could I not feel incompetent and continue to live my life with faith in the future? It is not easy. But I do feel that surrounding ourselves with good people and good vibrations can help a lot.

I was very happy this week when all over the world people watched the rescue of the 33 miners in Chile on TV. For a night (or a little more than that,) the heroes weren’t the presidents of Chile and Bolivia but the simple miners. During that time, the people who were watching the rescue were united in their wishes for a good outcome for the miners. It is so common for people to get together to watch a tragedy, like the airplanes crashing into the World Trade Centers on 9/11. This week, when something good like the rescue of the miners is being broadcast and only good vibrations are spread over the airwaves, the impact becomes a wonderfully positive spiritual experience.

A friend of mine was in jail for 5 years in the time of dictatorship in Brazil. He learned a lot while he was jailed, and he always said that life comes in waves like the sea. Bad things come and go. We can choose to get stuck thinking about them. But if we do so, we won’t leave space for the good things that are sure going to come. Instead of dwelling on the big waves of unhappiness, we should wait for the next wave of happiness. Life is definitely like the sea: unpredictable, mysterious, and always changing.


AS ONDAS

No mês passado peguei um vírus que me deixou 3 dias arrasada. Minha cabeça doía tanto que não conseguia nem me mexer. Enquanto estava deitada na cama, só conseguia pensar que não iria melhorar nunca, que na certa tinha um tumor ou algo assim na minha cabeça e, claro, iria morrer logo. .. Mas, de repente, o vírus foi embora e eu me senti perfeitamente bem novamente. Quase não conseguia me lembrar mais da intensidade da dor que tinha sentido. Quanto ao tumor, bem, me dei conta de que, como sempre, havia escolhido pensar na pior coisa possível, em vez de me concentrar em coisas boas.

Ontem eu estava conversando com minha filha, que é psicóloga, sobre pessoas deprimidas e ansiosas. Ela disse que aconselha seus pacientes a tentar encontrar pelo menos uma coisa boa para pensar, porque quando escolhem se concentrar em bons pensamentos, eles se sentem melhor. Eu lhe contei sobre um artigo que li na revista Daily Word, a respeito de atenção e onde decidimos focalizá-la. O artigo explicava que tudo aquilo que recebe nossa atenção se amplia. Se nos concentrarmos em um pensamento, ele se expande. Se prestarmos atenção a uma irritação, essa irritação aumenta. Da mesma forma, se prestarmos atenção a algo bom, aumenta a nossa sensação de felicidade. Assim, uma simples mudança na direção do pensamento pode mudar o nosso dia inteiro.

Entendo a ideia plenamente. No entanto, acho que é muito difícil concretizá-la. Semana passada, por exemplo, tive um aborrecimento muito grande com uma coisa relacionada a trabalho. Em consequência disso fiquei duvidando de mim mesma, sentindo-me incompetente e sem fé no futuro... Não é fácil se concentrar no bem e esquecer os problemas. Mas sinto que quando nos cercamos de pessoas boas e com vibrações positivas isso pode ajudar muito.

Fiquei muito feliz esta semana, quando em tantos lugares do mundo as pessoas assistiram pela TV o resgate dos 33 mineiros no Chile. Por uma noite (ou um pouco mais do que isso), os heróis não foram os presidentes do Chile e da Bolívia, mas os simples mineiros. Durante esse tempo, os telespectadores que estavam seguindo o resgate estavam unidos no seu desejo de um final feliz para os mineiros. É tão comum as pessoas se reunirem para assistir a uma tragédia, como os aviões caindo no World Trade Center, que quando algo de bom está sendo transmitido em todo o mundo e só vibrações positivas se espalham no ar, é realmente uma experiência espiritual.

Na época da ditadura no Brasil, um amigo meu ficou preso cinco anos. Ele teve muito tempo para pensar enquanto estava na prisão, e sempre dizia que a vida vem em ondas como o mar. As coisas más vêm e vão. Podemos pensar compulsivamente nelas. Mas se o fizermos, não vamos nos abrir para as coisas boas que com certeza virão. Em vez de nos concentrar nas grandes ondas de infelicidade, devemos esperar a próxima onda de felicidade. A vida é definitivamente como o mar: imprevisível, misterioso e sempre mudando.

Photo: Bernadete Piassa

Monday, October 4, 2010

Simplicity vs. Complexity (Simplicidade versus complexidade)



An American friend of mine told me a story about when he went to give a talk in Japan and the audience laughed a lot at his jokes. They laughed so much that he became suspicious. At the end of his talk, he asked the interpreter if they had understood the jokes and what she had said to them. She then confessed that she had explained to the audience that my friend had worked very hard on his presentation so, as an act of kindness, could they please laugh at his jokes?

This weekend, a Brazilian friend of mine came over for dinner and told us an American joke. He then commented about how hard it was to translate a joke. I totally agreed with him, but I thought that jokes are not the only things difficult to translate. There are many nuances in one country that are almost impossible to explain to a person who has never been in that country.

I am facing this predicament because my American husband and I are getting ready to go on vacation to Brazil. I am trying to prepare him, explaining small details about my country. However, I am aware that many of my comments about Brazil continue to puzzle him.

Being an American, he is used to things straightforward. How can I explain the complexities of my country? He got a taste of that last week, when we tried to buy tickets online for flights inside Brazil, using two different Brazilian airlines. It took us 4 hours to book the flights, while it had taken us 15 minute to book the flights from Philadelphia to Rio de Janeiro through an American airline company. The first Brazilian site froze, then displayed an error message, then said we couldn’t create an account because we already had one and we should try again another time. The other site didn’t acknowledge when the ticket was bought so my husband tried to buy another. At that point, he got an email from his credit card company because of a suspicion of fraud. This problem was resolved with a phone call and we went online again to buy the ticket. Still, we got no confirmation. I chatted with someone online who gave me a number to call in Brazil. Only after this call, we succeeded in buying the tickets.

The hotel reservation was the same story. My aunt checked the hotel in Rio and then suggested that I book online. When I tried, there wasn’t an online form to be filled in; I had to send an email to the hotel. Two days later, there wasn’t still an answer. I had to contact someone else and it took me two more days to book the room.

Why all this complexity? There are things in Brazil very simple, but when it comes to business, the complications start. And, if the business is with the government, then you are in for a lot of aggravation. One of the phrases that I made a point of teaching my husband in Portuguese was “a little bit late.” I was explaining to him that he would hear this all the time, because the entire country runs “a little bit late.” But how to explain that for someone who lives in a country where people complain if the train is 10 minutes behind schedule? I can’t. Maybe the newly elected Brazilian Congressman, the clown Tiririca, will be able to come up with an explanation. By the way, I am still finding it hard to explain to my husband that the fact that a clown was just elected as a Congressman in Brazil wasn’t a joke.

SIMPLICIDADE VERSUS COMPLEXIDADE

Um amigo americano me contou que uma vez foi dar uma palestra no Japão e a plateia riu muito de suas piadas. Riram tanto que ele ficou desconfiado. No final da palestra, perguntou para a intérprete se eles tinham entendido as piadas e o que ela havia dito. Ela então confessou que havia explicado ao público que o meu amigo tinha trabalhado muito na sua apresentação por isso, por uma questão de gentileza, será que eles podiam, por favor, rir de suas piadas?

Este fim de semana, um amigo brasileiro veio jantar conosco e nos contou uma piada americana. Em seguida, comentou sobre como era difícil traduzir uma piada. Concordei totalmente com ele, mas pensei que não só as piadas eram difíceis de traduzir. Há muitas nuances num país que são quase impossível de explicar a uma pessoa que nunca esteve naquele país.

Enfrento essa dificuldade no momento porque eu e meu marido americano estamos nos preparando para ir de férias ao Brasil. Tento prepará-lo para a viagem, explicando pequenos detalhes sobre o meu país. No entanto, sei que muitos dos meus comentários sobre o Brasil continuam a intrigá-lo.

Sendo americano, ele é acostumado com simplicidade. Como posso explicar as complexidades do meu país? Ele se deu conta um pouquinho disso na semana passada, quando tentamos comprar passagens online para vôos dentro do Brasil, por duas companhias aéreas brasileiras. Demorou quatro horas para reservarmos as passagens, enquanto levamos apenas 15 minutos para fazer reservas da Filadélfia para o Rio de Janeiro, através de uma companhia aérea americana. O primeiro site brasileiro congelou, depois exibiu uma mensagem de erro, em seguida avisou que não podíamos criar uma conta porque já tínhamos uma e deveríamos tentar novamente mais tarde. O outro site não deu recibo depois que as passagens foram compradas e meu marido tentou comprar outras. Daí, ele recebeu um e-mail do seu cartão de crédito devido a uma suspeita de fraude. Depois que o problema se resolveu com um telefonema, voltamos online para fazer as compras. Mais uma vez, não recebemos confirmação. Eu conversei com alguém online no site da companhia que me deu um número para ligar no Brasil. Somente após a chamada conseguimos comprar as passagens.

A reserva do hotel foi a mesma história. Minha tia foi ver o hotel no Rio e, em seguida, sugeriu que eu fizesse a reserva online. Quando tentei, não havia um formulário online para ser preenchido; tive que enviar um e-mail para o hotel. Dois dias depois, ainda não havia resposta. Acabei contatando outra pessoa e ainda assim levou dois dias a mais para reservar o quarto.

Por que toda essa complexidade? Há coisas no Brasil muito simples, mas quando se trata de negócios, as complicações começam. E, se o negócio é com o governo, então qualquer um pode esperar muita dor de cabeça. Uma das frases que fiz questão de ensinar ao meu marido em português foi "um pouquinho atrasado." Expliquei que ele iria ouvir isso o tempo todo, porque o país inteiro está sempre "um pouquinho atrasado." Mas como explicar isso para alguém que mora num país onde as pessoas queixam-se se o trem chega com 10 minutos de atraso? Não sei. Talvez o deputado federal recém-eleito no Brasil, o palhaço Tiririca, seja capaz de uma explicação. Por falar nisso, estou achando muito difícil explicar ao meu marido que o fato de um palhaço ter sido eleito como deputado no Brasil não é uma piada.

Photos: Bernadete Piassa