Thursday, October 22, 2015

ATÉ BREVE MAMÃE (SEE YOU SOON MOM)

Tem uma história do Chico Xavier em que ele estava num avião com muita turbulência e começou a gritar com medo do avião cair e ele morrer. Gritava e pedia ajuda divina. Até que Emmanuel, o espírito que o acompanhava sempre, apareceu e lhe disse, “Chico, se é para morrer, pelo menos morra com dignidade.”  Minha mãe recebeu esse presente divino. Morreu com dignidade. Assim como viveu, saiu deste mundo com elegância, pronta para ir visitar uma amiga. Morreu com planos, com sonhos. No mês de dezembro viria para os EUA me ver. Hoje, meu marido comentou comigo. “Puxa, que pena que ela não vem mais nos visitar. Eu queria poder retribuir a acolhida tão calorosa que ela me deu, na minha única ida ao Brasil”.
E a quantas pessoas ela acolheu... Sua casa estava sempre de portas abertas para os amigos, amigos dos amigos, parentes e até perfeitos estranhos. Quantos netos, bisnetos, sobrinhos, filhos, primos, foram lá passar as férias, sempre sabendo, sem a menor dúvida, que seriam recebidos muito bem na casa de Dona Anna Maria.
Um dia minha irmã comentou que, quando minha mãe morresse, seu enterro teria muita gente porque ela era amiga de quase toda a cidade. Ela era assim, discreta mas popular, chic mas simples. Sua generosidade não tinha tamanho. Com ela, aprendemos a arte da caridade. Desde pequenas a víamos dando um pão para um mendigo, costurando para os pobres, doando  tudo que não precisava mais. 
Foi uma mãe severa, exigindo muito dos filhos. Mas o que exigia, era que fizéssemos o melhor possível. Que tivéssemos ambição, que fôssemos viajar, que não nos conformássemos em viver num mundo pequeno, quando havia tanto para se ver por aí afora. Ela nos passou o amor pelas viagens, pela cultura, pela música. Será impossível ouvir uma ópera sem lembrar dela. Ensinou piano para as filhas, netas e bisnetas. Ensinou muito sobre a vida para os netos que praticamente criou.
Hoje ela se foi e, pra gente, fica o vazio. Sabemos que logo a veremos novamente e estamos felizes pela maneira pela qual ela partiu. Mas a saudade dói e a tristeza nos assalta nos momentos que menos esperamos.  De manhã, ela havia me dito que temos sempre de nos concentrar nas coisas boas. Eu não imaginava que essa seria sua última lição.
Até breve mamãe querida. Descanse em paz.

SEE YOU SOON MOM

There is a story about Chico Xavier on a plane with a lot of turbulence. He was scared that the plane was going to crash and started screaming and begging God for help. Then, Emmanuel, the spirit who always accompanied him, appeared and told him, "Chico, if you are going to die, at least die with dignity." My mother received this divine gift. She died with dignity. She left this world with elegance, like she lived, being ready to go visit a friend. She died with plans and dreams. In December she was coming to the US to see me. Today, my husband said to me. "What a pity that she won’t come to visit us. I wish I could return the warm welcome she gave me in my single visit to Brazil. "
And how many people she welcomed ... Her house was always open to friends, friends of friends, relatives and even perfect strangers. How many grandchildren, great-grandchildren, nephews, daughters, cousins, were there to spend the holidays, always knowing, without a single doubt, that they would be received very well in Dona Anna Maria’s house.
One day my sister said that when my mother died, her funeral would be attended by many people because she was friends with most of the city. She was quiet but popular, chic but simple. Her generosity was enormous. With her, we learned the art of charity. Since we were young we would see her giving bread to beggars, sewing for the poor, donating all that she no longer needed.
She was a severe mother, demanding a lot from her children. But what she demanded above all was that we did our best. She wanted us to have ambition. She wanted us to go traveling; she didn’t want us to accept to live in a small world, when there was so much to see somewhere else. She gave us her love for travel, culture, music. It will be impossible to hear an opera without remembering her. She taught piano to her daughters, granddaughters and great-granddaughters. She taught a lot about life for the grandsons whom she practically raised.
Today she is gone and, for us, there is this big void. We know that soon we will see her again and we are happy for the way she left. But the longing hurts and sadness comes to us in the moments we least expect. In the morning, she had told me that we must always focus on the good things. I did not know that this would be her last lesson.

See you soon my darling mother. Rest in peace.

Friday, August 14, 2015

THE BEAUTY OF THE DESERT (A BELEZA DO DESERTO)

In the evenings, we sit outside in awe, enjoying the warm breeze, listening to the water singing in the fountain, and the birds flying around, involved in deep conversation.  Coming from the East Coast of the US, where the weather was either too cold or too hot, or too muggy, or too cloudy, we never get tired of admiring the dramatic changes in the weather of Tucson, AZ: the rain with strong winds that threatens to blow everything away, the sunset with colors so intense that gives the impression that the sky is on fire, the dry heat that warms the skin but doesn’t make us sweat.  

Some friends ask us if the desert is not monotonous, lifeless. But there is life everywhere: coyotes, javelinas, bobcats, bunnies and ground squirrels roam the desert. Butterflies, dragon flies, and eagles fly around.  Snakes, desert rats, ants of all sizes and shapes, lizards, scorpions, there is a huge amount of insects. And the flowers bloom everywhere. Life is abundant and full of surprises for the ones who stop and admire the splendor of nature and wildlife. But wait, don’t tell this to many people. Let them think that Tucson is hot and boring. We want to keep the beauty of this place so special a secret.

A BELEZA DO DESERTO


À noite, nós nos sentamos lá fora perdidos em profunda admiração enquanto curtimos a brisa quente, ouvimos a água cantando na fonte e os pássaros voando ao redor, envolvidos  numa conversa profunda. Como viemos do leste dos EUA, onde o clima era muito frio, ou muito quente, ou muito úmido, ou muito nublado, não nos cansamos de admirar as mudanças dramáticas no clima de Tucson, Arizona: os temporais com fortes ventos que ameaçam derrubar tudo, o pôr do sol com cores tão intensas que dá a impressão de que o céu está em chamas , o calor seco que aquece a pele mas não nos faz suar.



Alguns amigos nos perguntam se o deserto não é monótono, sem vida. Mas há vida em toda parte: coiotes, javalis, linces, coelhos e esquilos vagam pelo deserto. Borboletas, libélulas e águias voam por toda parte. Cobras, ratos do deserto, formigas de todos os tamanhos e formas, lagartos, escorpiões, há uma enorme quantidade de insetos. E as flores desabrocham em todos os lugares. A vida é abundante e cheia de surpresas para aqueles que param e admiram o esplendor da natureza e da vida selvagem. Mas espere, não diga isso para muitas pessoas. Deixe-os pensar que Tucson é quente e chata. Queremos manter a beleza deste lugar tão especial em segredo.

Saturday, June 20, 2015

LOVE, HATE, AND FORGIVENESS (AMOR, ÓDIO, E PERDÃO)


On Thursday morning, June 18, nine people were killed in The Emanuel African Methodist Episcopal Church in Charleston, South Carolina.  A young man walked in the church, sat for one hour in the Bible study group, and then opened fire on the participants. He was apprehended and is now in custody. Twenty one year old Dylann Roof admitted to the crimes and supposedly explained that he wanted to start a race war. Why he decided to kill the people at the church and why he wanted to start a war remains a mystery.

 On Friday morning, June 19th, the body of the medium Gilberto Arruda was found in the Spiritist Center Lar de Frei Luiz, in a western suburb of  Rio de Janeiro, Brazil. The 73 year old man, who performed spiritual surgeries for about 60 years and lived to help the poor and sick, was gagged, his hands tied and he had many wounds on his face. So far, nobody has been arrested for his death. His murder is still a mystery.
Two senseless crimes, in two different countries. One is being investigated as a racial hate crime. The other is being seen as a matter of religious intolerance. In fact, they are the same. Both were perpetrated by individuals who couldn’t accept that other people held a different point of view and were blind to the good that their victims were doing in the world. In Charleston, the nine men and women killed were exemplary citizens, good parents, role models for society and their families. In Rio de Janeiro, Gilberto Arruda was one of the most respected mediums of a traditional spiritualist house, responsible for spiritual surgery in critically ill patients.
When crimes so tragic like these happen, we tend to think that there is more evil than good going around. Although the intent of the murderers is to cause terrible damage, in the end what they accomplish is the opposite: the whole society unites in the will to repudiate these acts. The talk of forgiveness is louder than the one of vengeance.  
The criminals will be punished and forgotten where they can’t do harm to others anymore. However, their victims will live forever, in the memory of the ones who loved them. The church, and the spiritist center, will be filled again with music, prayers and hope. And the ones who seek peace will always find a sanctuary in these places of worship.

AMOR, ÓDIO, E PERDÃO

Na quinta-feira de manhã, no dia 18 de junho, nove pessoas foram mortas na Igreja Africana Metodista Episcopal Emanuel em Charleston, Carolina do Sul. Um jovem entrou na igreja, sentou-se durante uma hora no grupo de estudo da bíblia e, em seguida, abriu fogo contra os participantes. Ele foi preso e agora está sob custódia. Dylann Roof, de vinte e um anos de idade, admitiu ter cometido os crimes e, supostamente, explicou que queria começar uma guerra racial. Por que ele decidiu matar as pessoas na igreja e por que queria começar uma guerra permanece um mistério.
 Na sexta-feira de manhã do dia 19 de junho, o corpo do médium Gilberto Arruda foi encontrado no Centro Espírita Frei Luiz, em um subúrbio do Rio de Janeiro, no Brasil. O senhor de 73 anos, que realizou cirurgias espirituais por mais de 60 anos e vivia para ajudar os pobres e doentes, foi amordaçado, estava com as mãos amarradas e muitos ferimentos no rosto. Até agora, ninguém foi preso por sua morte. Seu assassinato permanece um mistério.
Dois assassinatos sem sentido, em dois países diferentes. Um está sendo investigado como um crime de ódio racial. O outro está sendo encarado como uma questão de intolerância religiosa. Na verdade, os dois são crimes iguais. Ambos foram perpetrados por indivíduos que não podiam aceitar que outras pessoas tivessem opiniões e crenças diferentes, e não viam o bem que suas vítimas estavam fazendo no mundo. Em Charleston, os nove homens e mulheres mortos eram cidadãos exemplares, bons pais, modelos de comportamento para a sociedade e suas famílias. No Rio de Janeiro, Gilberto Arruda era um dos médiuns mais respeitados de uma casa espírita tradicional, responsável pela cirurgia espiritual em pacientes criticamente enfermos.
Quando crimes tão trágicos como estes acontecem,  chegamos a conclusão de que há mais mal do que bem por aí. Mas embora a intenção dos assassinos seja de causar danos terríveis, no final o que eles conseguem é ​​o oposto: a sociedade inteira se une no desejo de repudiar esses atos. Os apelos por perdão soam mais alto do que os de vingança.
Os criminosos serão punidos e esquecidos em algum lugar onde não podem mais fazer mal aos outros. No entanto, as suas vítimas viverão para sempre, na lembrança dos seus entes queridos. A igreja e o centro espírita se encherão novamente com música, orações e esperança. E aqueles que buscam a paz sempre encontrarão um santuário nesses locais sagrados.