Monday, September 26, 2011

What we take with us (O que levamos conosco)

My daughter was telling me of this TV show about hoarders who accumulate so much stuff that they can’t walk in their own house. There are people who save just one type of object, like books, while others can’t throw anything away and end up submerged in the mess they create. The American Journal of Psychiatry says that "Compulsive hoarding is most commonly driven by obsession fears of losing important items that the patient believes will be needed later, distorted beliefs about the importance of possessions, excessive acquisition, and exaggerated emotional attachments to possessions."

The conversation with my daughter about hoarding interested me because my mother-in-law is soon going to a retirement home and my husband and I have to deal with all the stuff she has accumulated over her 94 years.  Last week we were helping her sort some of her belongings. She agonized about what to do with each small box, each glass, napkin, table cloth, and so on… The process of reducing an entire house to just a single room seemed very challenging for her and, above all, very emotional.

We, human beings, are strange creatures. We come to this world naked, with nothing and, most of the time, leave it with our clothes on. We know that this is what will happen but the knowledge doesn’t prevent us from accumulating things or from thinking that everything we have can’t be disposed of. We gather stuff and stow it in every possible corner, pack it in drawers, pile it on shelves, and hide it in basements, because we can’t stand the idea of parting with anything. We accumulate so much that, when the time comes for us to be confronted with our mortality, we are at a loss to figure out what really matters and what doesn’t.

It seems that we like to accumulate not only “things” but also years. If someone gets to be 100 years old we celebrate the accomplishment. The pharmaceutical companies work non-stop to find medications to make us live longer. But does anyone really want to live until 100 if it can't be done independently? Reaching 100, and being confined to a room and a bed, does not seem very appealing. 

I think we should concentrate on living fewer years and focus on making the most of the years we live. Why waste time accumulating objects that we can’t take with us instead of building memories that will always belong in our hearts? Why wait to travel to that wonderful city at the top of a hill when we are so old and frail that we can’t climb the steps that take us there anymore? We spend our days burdening ourselves with the things we collect, the guilt we carry, and the regrets for the dreams we fail to accomplish. We forget that, in the end, what we remember will be the laughter, the good moments, the gentleness, the beauty, the friendship and, above all, the love. 


Minha filha estava me falando sobre um programa na televisão a respeito dessas pessoas que acumulam tanta coisa que nem podem mais andar em sua própria casa. Tem gente que guarda apenas um tipo de objeto, como livros, enquanto outras não podem jogar nada fora e acabam submersas na bagunça que criam. O American Journal of Psychiatry diz que "armazenamento compulsivo é mais comumente ocasionado por medos obsessivos de perder coisas importantes que o paciente acha que serão necessárias mais tarde, crenças distorcidas sobre a importância de bens, aquisição excessiva e ligações emocionais exageradas com bens materiais."

A conversa com minha filha sobre acumular coisas me interessou porque a minha sogra vai se mudar em breve para uma casa de repouso e meu marido e eu estamos separando as coisas que ela acumulou nos seus 94 anos de vida. Na semana passada, fomos ajudá-la nessa tarefa. Ela levou horas para decidir o que faria com cada caixinha, cada copo, guardanapo, toalha de mesa, e assim por diante ... Ter de pensar em cada objeto da casa e tentar  imaginar se caberá num quarto apenas está sendo muito difícil para ela e, acima de tudo, um processo muito emocional.

Nós, seres humanos, somos criaturas estranhas. Chegamos neste mundo nus, sem nada. Na maioria das vezes, o deixamos apenas com a roupa do corpo. Sabemos que será assim, mas esse conhecimento não nos impede de acumular coisas ou de pensar que nada nosso pode ser jogado fora. Guardamos coisas em todos os cantos possíveis, em gavetas, prateleiras, porões, porque não podemos suportar a ideia de nos separarmos delas. Acumulamos tanto que, quando chega a hora de sermos confrontados com a nossa mortalidade, ficamos perdidos tentando descobrir o que realmente tem importância.

Parece que gostamos de acumular não só "coisas", mas também anos. Se alguém completa 100 anos, comemoramos a data. As empresas farmacêuticas trabalham sem parar pesquisando remédios para prolongar nossa vida. Mas será que realmente queremos viver até os 100 anos, se precisarmos depender de alguém para nos ajudar com tudo? Chegar aos 100 confinado num quarto com uma cama não parece muito interessante.

Às vezes acho que devemos nos concentrar em viver menos tempo, mas aproveitar ao máximo nossos anos de vida. Por que desperdiçar nosso tempo juntando objetos que não podemos levar conosco, em vez de acumular lembranças que estarão sempre em nossos corações? Por que esperar para conhecer aquela cidade maravilhosa no topo de uma colina quando estivermos tão velhos e frágeis que nem conseguimos mais subir os degraus que levam a ela? Passamos nossos dias sobrecarregando-nos com coisas que guardamos, culpas que carregamos, tristeza pelos sonhos que não realizamos. Nos esquecemos de que, no final, o que levaremos será apenas a lembrança das risadas, dos bons momentos, da delicadeza, da beleza, da amizade e, acima de tudo, do amor que vivemos.

Tuesday, September 6, 2011

Travels: The Mount Assisi Gardens and Fallingwater (Viagens: O jardim Mount Assisi e Fallingwater)

In Brazil, when someone can’t stay in one place for a long time, we say that the person has a scarab. This is a reference to an insect like a beetle which is always in motion. When I don’t travel for a long time, I get the scarab fever. I can’t wait to pack and go somewhere, anywhere. Last weekend was going to be a long weekend, with a holiday on Monday, and I couldn’t bear to stay home. But I also didn’t want to follow the crowds and head to the beach. So, my husband and I decided to go west, to the rural side of Pennsylvania, and embarked on a journey that was very interesting.
When people travel they do so for different reasons – work, visit with family, a celebration of some kind, to see some historic or cultural site, relax…. My main motivation for this trip was to be in a beautiful place that would bring tranquility to my soul. Since I believe in destiny and intuition, I knew that if I searched the Internet, I would end up finding the place that was just right for me. I wasn’t surprised when I discovered Mount Assisi Gardens, in Loretto PA, considered the “Unknown Jewel of The Allegheny Mountains."
A long stroll in the gardens definitely brought peace to my soul. A century ago, the formal Sunken Gardens of this Pennsylvania Historical Site were considered to be among the most beautiful in the country. The Franciscans opened the gardens to the public in 1950, restricting the visits to the gardens only. But, from there, one can see the beautiful monastery built originally to be a summer estate for the millionaire Charles M. Schwab, the "Bethlehem Steel Magnet". The estate at that time was known as Immergrun, which in German means "always green."
On the grounds of Mount Assisi one can also visit The Shrine Our Lady of Fatima, built in 1950 and constructed by a Franciscan Friar who recovered from a long illness though his intercession with the Virgin Mary and her Son. The Virgin's appearance at Fatima, in the year 1917, at the Cova de Iria in Portugal, is depicted in the Shrine.
After leaving the peaceful gardens, we headed to our hotel for dinner and to sleep. Next morning, we got up very early and drove to the site of Fallingwater. I had seen countless pictures of the beautiful house, the most famous project, in terms of houses, in the US, designed in 1936 by the architect Frank Lloyd Wright. The architect later designed the Guggenheim Museum of New York, one of the most significant architectural icons of the 20th century which, unfortunately, Wright died without seen complete. For some reason, I never realized that Fallingwater was in Pennsylvania and less than 5 hours away. But destiny was conspiring to take me to peaceful places over the weekend and so we arrive there Sunday morning.
When we were finally escorted by the tour guide through the woods and saw the house for the first time, I was almost speechless. It was much more spectacular than I had ever imagined! The tour guide told us that Frank Lloyd Wright asked the Kaufmanns, a family from Pittsburgh for whom the house was designed as a weekend house and who later donated it to Western Pennsylvania Conservancy, where their favorite spot on their land was located. They indicated a stream with the waterfall, and Wright designed the house to rise above it, rather than face it. “I want you to live with the waterfall, not just look at it, but for it to become an integral part of your lives.” Wright said.
The house is an impressive example of the respect for nature instead of disrespect and destruction. It was constructed of sandstone quarried on the property and built by local craftsmen, mixing right in with its surroundings. There are no curtains on the windows of the house (donated by the Kaufmanns with its original furniture) and the woods seem to penetrate in the interior, while the creek lulls the visitors with the music of its running water. In the spacious living room, Frank Lloyd Wright designed a set of stairs leading to the stream. This way, Kaufmann could sit in his living room to fish or dangle his feet in the water, if he so desired.
Throughout the house, one can see the artwork collected by Mrs. Kauffman, including some original Tiffany’s lamps. But what struck me the most about the place was its simplicity. The swimming pool has spring-fed water, untreated to maintain the health of the stream. For the cars, Wright designed a carport thinking that this way there would be no accumulation of clutter, like in garages. Everything was designed with the idea of not letting people spoil the beauty of nature and, by contrast, be part of it.
We left the house with the impression that we had seen the work of a visionary. A man who died at the age of 92, after having designed some of the most impressive architectural work in the world, and who once said: "If you foolishly ignore beauty, you'll soon find yourself without it. Your life will be impoverished. But if you wisely invest in beauty, it will remain with you all the days of your life."
·         There are no photos allowed inside Fallingwater. To see more about the site or book a tour, go to


No Brasil, quando alguém não consegue ficar parado dizemos que a pessoa tem bicho carpinteiro, uma referência a um inseto tipo besouro que está sempre se mexendo. Quando não viajo por um tempo, parece que tenho bicho carpinteiro. Fico louca para fazer as malas e ir para algum lugar, qualquer lugar. O último fim de semana ia ser comprido, com um feriado na segunda-feira, e eu não estava satisfeita com a ideia de ficar em casa. Também não queria fazer como todo mundo que vai para a praia nessa época. Por isso, eu e meu marido decidimos ir para o oeste, o lado rural da Pensilvânia, e assim começamos uma viagem que acabou sendo muito interessante.

Quando as pessoas viajam o fazem por razões variadas: vão a trabalho, visitar a família, para alguma festividade, ver algum local histórico ou cultural, relaxar .... Minha principal motivação nessa viagem era passear em algum lugar bonito que trouxesse tranquilidade para minha alma. Como acredito em destino e intuição, sabia que se procurasse na internet acabaria encontrando o lugar certo para mim. Não fiquei surpresa quando descobri Mount Assisi Gardens, em Loretto PA, um jardim considerado "o tesouro escondido das Montanhas Allegheny".

Um longo passeio nos jardins definitivamente me deixou em paz. Há um século, esses jardins eram considerados como uns dos mais bonitos do país. Os monges franciscanos os abriram ao público em 1950, restringindo as visitas apenas aos jardins. Mas, de lá, dá para ver o lindo mosteiro, construído originalmente para ser a casa de verão do milionário Charles M. Schwab, o "Magnata de Aço de Bethlehem". Naquela época, a propriedade era conhecida como Immergrun, que em alemão significa "sempre verde".

Nos jardins também pode se visitar a capela de Nossa Senhora de Fátima, construída em 1950 por um frade franciscano que se recuperou de uma longa doença, depois de ter intercedido junto à Virgem Maria e seu Filho. A Aparição da Virgem de Fátima, no ano de 1917, na Cova da Iria em Portugal, é retratada na capela.

Depois de deixar o tranquilo jardim, fomos para o hotel para jantar e dormir. De manhã, nos levantamos bem cedo e viajamos até Fallingwater. Eu já tinha visto inúmeras fotos da lindíssima casa, que é o projecto de arquitetura mais famoso dos EUA, em termos de casas, e foi projetada em 1936 pelo arquiteto Frank Lloyd Wright. Anos mais tarde, o arquiteto iria projetar o Museu Guggenheim de Nova York, um dos ícones arquitetônicos mais significativos do século 20 que, infelizmente, Wright morreu sem ver concluído. Por alguma razão, nunca tinha me dado conta de que Fallingwater ficava na Pensilvânia,  a menos de 5 horas da minha casa. Mas o destino estava conspirando para nos levar a lugares calmos no fim de semana e assim chegamos lá no domingo de manhã.

Quando a guia turística finalmente atravessou a floresta conosco e vi a casa pela primeira vez, quase fiquei sem palavras. Fallingwater era muito mais espetacular do que eu jamais havia imaginado! A guia nos contou que Frank Lloyd Wright havia perguntado aos Kaufmanns - um casal de Pittsburgh para quem a casa foi projetada como uma residência de fim de semana e que mais tarde a doou a Western Pennsylvania Conservancy - onde era seu lugar favorito. O casal mostrou o riacho com a cachoeira.Wright desenhou a casa em cima da cachoeira, em vez de na frente dela. "Quero que vocês vivam com a cachoeira, e não apenas a olhem, para que ela se torne parte integrante de suas vidas." Wright disse.

A casa é um exemplo fantástico de como a natureza pode ser respeitada em vez de destruída. Foi construída por artesãos locais, usando arenito extraído na propriedade, e se mistura muito bem com seus arredores. Não há cortinas nas janelas da casa (doada pelos Kaufmanns com o mobiliário original) e a floresta parece penetrar no interior, enquanto o riacho embala os visitantes com o som da água corrente. Na espaçosa sala de estar, Frank Lloyd Wright projetou uma escada que desce até o córrego. Assim, Kaufmann podia sentar-se na sala de estar para pescar ou molhar os pés no riacho, se quisesse.

Em todos os cômodos da casa, há obras de arte colecionadas pela Sra. Kauffman, incluindo algumas lâmpadas originais de Tiffany. Mas o que mais impressiona é a a simplicidade do lugar. A piscina é de água natural, sem ser tratada, para manter a pureza do riacho. Para os carros, Wright desenhou uma garagem aberta, para evitar o acúmulo de coisas inúteis, comum em garagens fechadas. Tudo foi concebido com a ideia de não deixar as pessoas violarem a beleza da natureza e, ao contrário, fazer parte dela.

Saímos da casa com a impressão de ter visto o trabalho de um homem visionário. Um homem que morreu aos 92 anos de idade, depois de ter criado algumas das obras mais impressionantes da arquitetura do mundo, e que uma vez disse: "Se você ignorar a beleza, em breve se verá sem ela. Sua vida será empobrecida. Mas se investir sabiamente na beleza, ela permanecerá com você todos os dias da sua vida. "

• Não é permitido tirar fotos no interior de Fallingwater. Para ler mais a respeito do lugar ou reservar um passeio, acesse

Photos: Bernadete Piassa